Inglês pelo mundo das séries: Qual a melhor série para aprender inglês? PANAM!

 

Quando eu comecei a estudar inglês eu estava assistindo a série Grey’s Anatomy e me sentia culpada por não estar dedicando esse tempo ao inglês (e vocês bem sabem que os episódios de Grey’s são enormes e a série é eterna!). Então decidi que, já que iria passar tanto tempo vendo Grey’s, ao menos iria ver a série com o áudio original. Isso mesmo, eu vi Grey’s Anatomy em inglês! Na época meu inglês era intermediário, então eu entendia a história muito pelo contexto. Aqui vai a minha dica de inglês pelo mundo das séries de hoje: assista aquilo que você gosta! E não se culpe como se estivesse “perdendo tempo”, se você assiste aquilo que gosta, com certeza vai escutar/ler com muito mais entusiasmo e atenção do que uma série chata qualquer (foi mal aí, amantes de Friends).  Assistindo aquilo que você realmente gosta, vai estar aprendendo muito mais . Vai por mim!

 

 

Quando eu disse que a melhor série pra aprender inglês é PANAM, é porque realmente é uma série interessante e que é ótima pra expandir o vocabulário! “Landing card”, “Buckle up”, “jumpseat”*… São todos termos da aviação e que você provavelmente não vai aprender em seu cursinho de inglês, mas imagina que você vai pra uma viagem internacional e quando a comissária te pergunta se você precisa de um landing card (cartão de desembarque) você não fizer a menor ideia do que ela está te perguntando?! Lembro que eu assistia Grey’s e ficava pensando “Gesuix! Eu não tenho nada a ver com a área médica! Pra que estou aprendendo essas palavras?!”… até o dia em que trabalhando como guia de turismo num museu, um turista me perguntou como foi o processo de restauração de determinado quadro e eu tive que explicar (em inglês!) que o restaurador tinha usado um scalpel* pra remover as camadas de tinta antiga. Ai de mim, se não fossem todas as temporadas de Meredith Grey em minha vida! Então não se preocupe se a série que você escolher pra praticar o inglês for muito distante da sua realidade:  quanto mais contato com a língua, melhor!

 

Se você não é da área da aviação (ou mesmo se for), talvez você nunca tenha ouvido falar dessa série. PANAM teve uma breve existência, foram apenas 14 episódios acompanhando o dia a dia de um grupo de comissárias de voo/tripulantes  (esse o nome mais apropriado galera! Esqueçam “aeromoça”) que trabalham para a cia aérea PANAM. A companhia para quem não sabe, existiu na vida real!!!  A Pan American World Air Ways voou entre os anos de 1930-1990, sendo a maior dos Estados Unidos e uma das mais importantes do mundo até os dias de hoje. Quem assistiu o filme “Neerja- O poder da coragem”* já pode imaginar quantas histórias as personagens dessa trama tem pra contar!

*O filme é baseado na história real da comissária Neerja, que impediu o voo 73 da PANAM airways de um sequestro.

“-Maggie? This is Bill from Pan Am scheduling. Can you volunteer for a special flight last-minute (…) We’re missing our lead stewardess on our New York-London . Can you come and be our purser?

-Did you know I was grounded? Uniform violation.

-Not if you can get here in 35 minutes.

 

-Maggie? Aqui é Bill do setor de agendamento da Pan Am. Você pode se voluntariar pra um voo especial de última hora? (…) Estamos sem nossa comissária supervisora pra o voo Nova York- Londres. Você pode vir e ser nossa supervisora?

-Você sabe que eu estou “fora de escala”. Cometi uma violação nas regras de uso do uniforme.

-Não se você conseguir chegar aqui em 35 minutos”

 

 

Assim começa a história de Maggie, Colete, Kate e Laura, comissárias que ao lado dos pilotos Dean e Ted, voam pelo mundo passando por altas aventuras em Paris, Indonésia, Alemanha…e até Brasil! Apesar das referências imagéticas desses lugares estarem representadas  na série, pra nós brasileiros, e principalmente para os cariocas,  fica muito fácil reconhecer as montagens que colocam o Cristo Redentor, com uma praia logo abaixo rsrs. Eu sei, falando assim parece bem tosco (e é!), as cidades pra onde elas viajam, (sobretudo as fora da rota EUA-Europa) ficaram bem estereotipadas. Além disso, eles colocam uns atores que são obviamente americanos pra falar português (?)…Isso realmente é meio frustrante, mas chega a ser até engraçado se você levar pro lado trash da coisa. O mesmo ocorre com as outras locações, porque apesar de na trama as personagens darem a volta ao mundo, as atrizes nunca saíram do set de filmagens, diferente de Sense 8 que falei aqui no mês passado, as cenas de PANAM foram todas feitas em estúdio. De modo geral, ainda dá pra ter um panorama ok dos lugares, caso você não os conheça pessoalmente. A trama que guia as viagens, trás além de romance, várias aventuras:  incluindo desde alguns perrengues simples de quem está viajando pra um país como turista, a tretas internacionais de uma comissária que resolve agir como espiã (a série acontece bem no período da Guerra Fria!).

 

Pan Am: Foto Karine Vanasse, Kelli Garner, Margot Robbie, Michael Mosley -  19 no 23 - AdoroCinema

 

Nem só de glamour e viagens maravilhosas vivem as comissárias de voo e isso é uma das coisas que eu, como ex comissária de voo, achei bem importante que a série tenha retratado. O dia a dia das personagens, também mostra o quanto a profissão era afetada pelo meio social misógino de 1963. A personagem Maggie durante em sua entrevista de emprego para a companhia, cita como ponto positivo em seu currículo que ela tenha feito curso de modelo (o que evidencia o quanto aquelas profissionais eram vistas apenas como uma fachada de marketing, como se somente sua imagem fosse relevante para atrair e entreter os passageiros do sexo masculino, como se tivessem importância alguma para o bom funcionamento do voo ou segurança dos passageiros). Mas quando acontece uma situação de emergência de saúde a bordo, e todos passaram por momentos de sufoco ao lidar com habitantes de um país em guerra civil, foram as comissárias Colete e Laura que exerceram o papel diplomata de fazer as negociações e conseguir atendimento médico necessário para o passageiro em questão; função que foi valorizada pela personagem Maggie no papel de supervisora evidenciando para nós, que em geral estamos na posição de passageiros, a importância dessas profissionais para além de servir o cafezinho. E aí, animou pra embarcar com a tripulação da PANAM? Buckle up! Chamado para aventuras!

 

*Buckle up– apertar os cintos

Jumpseat– banco (designado para as comissárias)

 

**Luane Souto é graduanda em letras com inglês, pela Universidade Federal da Bahia, é ex-comissária de bordo e atriz.

 

Nenhum comentário

Os comentários estão desativados.